quarta-feira, 17 de maio de 2017

I.R.V - Parte 9 - Goya Rangemaster 1967






Um pouco de história.. Antes de mencionar a marca Goya, devemos começar uma introdução partindo dos instrumentos Levin.

Herman Carlson Levin nasceu e cresceu em Asaka, na Suécia ; Aos 18 anos frequentou a escola de carpintaria e mais tarde obteve um estágio em um fabricante de móveis em Gotemburgo . Em agosto de 1887 Levin mudou-se para a América e trabalhou brevemente como carpinteiro antes de conseguir um emprego em 1888 em um fabricante de instrumentos local, de marca desconhecida.  Três anos mais tarde, ele e dois sócios começaram uma pequena produção de instrumentos em Nova York.  

Depois de uma visita à Suécia em 1895, Levin percebeu que a procura de instrumentos por lá era alta e que a fabricação de instrumentos na Suécia poderia ser rentável. Assim, com 4.000 kroners (moeda da época)  Levin abriu a "Herman Carlssons Instrumentfabrik" em Norra Larmgatan - Gotemburgo.
 
Com uma oficina de 70 m² e dois funcionários, Levin começou a fabricar violões e bandolins. No final de 1901 tinham sido feitos 473 instrumentos e em 1903, já com cinco funcionários, foram fabricados 1000 instrumentos.
  A fábrica foi uma das melhores da Europa e entre 1904 e 1912 Levin recebeu muitos prêmios, incluindo uma medalha de ouro em uma exposição em Madri como melhor violão já construido. Em meados da década de 1920 a fábrica tinha feito mais de 50.000 instrumentos e em 1925 a produção de uma linha de banjos foi lançada. Em 1936, o instrumento 100.000 tinha deixado a fábrica e Levin estava comercializando uma linha bem sucedida de violões archtop. Pouco antes de 1940 Levin empregou 45 novos funcionários em instalações de 1000 m². Na década de 1950, Levin lançou uma linha de guitarras baratas destinadas a escolas e guitarristas novatos. Estas guitarras eram de qualidade inferior ao resto da linha Levin.

 NASCE A GOYA GUITARS

 Em 1952, Jerome Hershman, distribuidor de guitarras na América, notou uma guitarra Levin em uma feira na Alemanha e convenceu a empresa Levin a deixá-lo comercializar suas guitarras na América. No entanto Hershman sabia que a marca Levin seria difícil de mercado na América e sugeriu o nome Goya. Inspirado pelo artista espanhol Francisco Goya , que era bem conhecido por ter em uma de suas obras o desenho de um personagem tocando um violão.
A linha de produtos Goya provou ser bem sucedida devido ao seu acabamento de alta qualidade.
O uso de cordas de nylon também deu aos violões um tom diferente do que a maioria dos outros que usavam cordas de aço, tornando-o popular entre os músicos folk. No final dos anos 1950, uma linha de aço-stringed flat-tops foram lançados, com tensor ajustável e braço parafusado.
No início dos anos 1960, uma linha de violões folk foi lançada com escala plana, semelhante aos violões de nylon, mas equipado com cordas de aço. Estes foram desenvolvidos em parte em cooperação com o cantor americano Oscar Brand . Dois modelos de 12 cordas foram lançados durante o mesmo período. Em 1967, foi assinado um contrato entre a empresa Levin e a Goya Music (antiga Hershman Music) por no mínimo 120.000 instrumentos durante um período de 10 anos. Neste momento a exportação de Goya era aproximadamente 70% da produção total das empresas que era de mais de 30.000 instrumentos, principalmente guitarras.
 
 O contrato foi quebrado pela Goya Music em 1968, após a aquisição da Goya Music pela Avnet Inc, que já naquela época era proprietária da Guild Guitars. Os direitos de distribuição de Goya foram vendidos em 1970 ao fabricante de amplificadores Kustom Electric de Chanute Kansas. Em 1972, Kustom foi à falência e a distribuição foi tomada por outra empresa chamada Dude Inc. 
Não está claro se Levin entregou qualquer instrumento para Dude, as vendas feitas por Dude podem ter sido as ações restantes da falência da Kustom.

 Em 1976, Dude vendeu a marca Goya para CF Martin, que já comprou a maioria da Levin Company alguns anos antes. CF Martin começou a importação de instrumentos japoneses e coreanos sob o nome de Goya e tanto a reputação de marcas Goya quanto a de Levin diminuíram.
CF Martin parou de oferecer instrumentos Goya durante a década de 1990.
 
Em 1973, quando Martin comprou a Levin, tornou-se a sede da Martin Guitars e da sua marca importadora japonesa Sigma Guitars na Europa, bem como produziu uma série de 200 violões Martin D-18, rotuladas como "LD-18 - Made in Gothenburg - Sweden "e alguns LD 28 Martins, carimbados "Made In Gothenburg" também surgiram no mesmo período.  
Em 1981, a última guitarra foi construída nas instalações de Gotemburgo e partes do inventário e a marca foram comprados pela Svenska Musik AB, que começou a produzir violões clássicos Levin em uma fábrica de propriedade de um ex fornecedor Hans Persson. O filho de Hans ainda está produzindo instrumentos com a marca Svenska. Atualmente fabricam guitarras jazz e violões clássicos na Coreia, baseados nos instrumentos Levin antigos.


Em 2014, a Anakronfilm lançou o documentário "Levin - ett namn med musik"
("Levin - um nome com música"). O filme conta a história da empresa Levin.


Depois de toda essa história, é chegada a hora de apresentar um instrumento raro, guitarra Goya Rangemaster, exemplar este do ano de 1967














































Continua em I.R.V - PARTE 10 (Click para ler)












 

Nenhum comentário:

Postar um comentário