quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Ato XXXVI - Pedra Bruta









Do clero ao lero
De Alexandria a Simao e Nero

Nem sempre o ar
Me traz o que eu quero

Nas colunas também percebi
O equilíbrio é a ordem

E harmonia elemental
O bruto filosofal

Que tão logo foi sendo buscado
A luz que emana astral

De tal brilho jamais ofuscado.





.°. 3 .°. 4 .°. 7

Nenhum comentário:

Postar um comentário