segunda-feira, 9 de setembro de 2013

ATO XXXII : Palavras nunca escritas








A FUMAÇA DESTA NOITE

SE FOI  DIFICIL TOCAR E NÃO VER.

ACIMA UM BRILHO OCASIONAL

BELA NOITE DE SOL.



A  LUA DO MEIO DIA

SE FOI DIFICIL SABER E NÃO VER

ABAIXO UMA ESCURIDÃO PROPOSITAL.



UM RAIO DIRETO, RETO, PERFEITO

PARADOXO SUSPEITO ...



O VENTO DENTRO DA CAIXA FECHADA

SE FOI DIFICIL ESQUECER E NÃO VER.

UNIÃO DO IMPOSSIVEL

SOBRE TEXTO INFINITO

PALAVRAS NUNCA ESCRITAS

IDEALIZAÇÕES SEM IDÉIAS.


E VOLTOU PARA A TERRA

E DA TERRA NUNCA SAIU,


DIRETO E RETO... EM UM ESPAÇO VAZIO.

SE FOI DIFICIL LER E NÃO ENTENDER...




PALAVRAS NUNCA ESCRITAS...


















Nenhum comentário:

Postar um comentário